ECG 23

Galeria

Esta galeria contém 1 imagem.

Paciente de 18 anos com ECG abaixo. Qual é o laudo deste eletrocardiograma? Laudo do ECG – Ritmo sinusal com BAV mobitz I (Wenckebach) : note na derivação DII a presença de aumento progressivo do intervalo PR com 2 ondas … Continuar lendo

PARTE 1- ECG CURSO: QUESTÕES COMENTADAS SOBRE ELETROCARDIOGRAMA 01 a 05

Aprenda eletrocardiografia com as questões comentadas sobre o tema nesta vídeo aula.

Questões comentadas 01 a 05 do curso intensivo de eletrocardiograma – ECG CURSO

Este material é destinado aos alunos que realizaram os cursos de eletrocardiograma intensivo – presencial e online.

http://www.ecgcurso.com

ECG CURSO: CURSO PRESENCIAL E INTENSIVO DE ECG EM 1 DIA!

        CURSO DE ELETROCARDIOGRAMA PRESENCIAL E INTENSIVO

– APRENDA OS PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO ECG NA PRÁTICA

– ENSINAREMOS COMO LAUDAR UM ELETROCARDIOGRAMA

– IDENTIFICAR AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NO ECG DE SUPERFÍCIE

– COMO ANALISAR UM ECG NO PRONTO SOCORRO

– UM CURSO DE DURAÇÃO DE 1 DIA INTENSIVO

– DESENVOLVIDO PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE, MÉDICOS E ESTUDANTES DE MEDICINA

– ABORDAGEM EM ARRITMIAS NO PRONTO SOCORRO

Conteúdo programático do Curso       

1- Apresentação do curso e cronograma

2- A interpretação do ECG normal

3- Exercícios – 20 ECGs para laudar

4- Bloqueios de ramo

5- Exercícios – 20 ECGs para laudar

6- Bradiarritmias e Bloqueios átrio-ventriculares

7- Exercícios – 20 ECGs para laudar

8- Taquiarritmias

9- Exercícios – 20 ECGs para laudar

10- O ECG pediatrico

11- Exercícios – 20 ECGs para laudar

12- ECG miscelânea

13- Exercícios – 20 ECGs para laudar

14- Marcapasso artificial

15- Exercícios – 20 ECGs para laudar

Curso ministrado por Dr. Felipe A. O. Souza e convidados

Médico com Especialização em Clínica Médica e Cardiologia

Autor e Editor do Guia de Eletrocardiografia da UNIFESP-EPM

DIA: 02/06/2012 – SÁBADO

HORARIO: 08:00 – 18hs

LOCAL: CBBW – Auditórios na Paulista
Av. Paulista, nº 1776 – 2ºandar
Cerqueira César – São Paulo – SP

Inscrições abertas !   Vagas Limitadas !

(CLIQUE AQUI)

ECG 14

Criança de 2 meses de idade, com síndrome de Down, acianótica, evoluindo com insuficiência cardíaca congestiva

ECG  comentado pela Dra. Maria Suely Diógenes – Médica do serviço de Cardiologia Pediátrica – Cardiologia UNIFESP

Laudo final:

  • Ritmo sinusal, FC= 150 bpm: taquicardia sinusal fisiológica da idade.
  • Situs atrial solitus, pois a onda P é positiva em D1 e aVF e, negativa em aVR.
  • Sobrecarga atrial direita evidenciada por ondas P de morfologia apiculada e com aumento da amplitude (2,5 a 3 mm) nas derivações D2 e V1.
  • Eixo elétrico do complexo QRS entre -60º e -90º , caracterizando o bloqueio da divisão ântero-superior do ramo esquerdo (BDAS).
  • Sobrecarga biventricular com predomínio do ventrículo direito devido à presença de onda R ampla e onda T positiva na derivação V1 após o primeiro mês de vida. A sobrecarga ventricular direita é evidenciada pelo aumento da amplitude das ondas R nas derivações precordiais direitas (V1 e V2) com relação R\S maior que 1. O aumento do ventrículo esquerdo é evidenciado pela relação R\S maior que 1 nas derivações precordiais esquerdas (V5 e V6) na presença de sobrecarga direita cuja tendência, na ausência de sobrecarga esquerda, seria ter relação R\S menor que 1 nas precordiais esquerdas .

Comentários do ECG

O diagnóstico é DEFEITO DO SEPTO ATRIOVENTRICULAR TOTAL. Trata-se de cardiopatia congênita acianótica de hiperfluxo pulmonar, malformação cardíaca típica de crianças com síndrome de Down. É um defeito do coxin endocárdico embrionário que, na sua forma total, resulta em valva atrioventricular única e grande “shunt” esquerdo-direito com grande hiperfluxo pulmonar, sobrecarga volumétrica das câmaras cardíacas esquerdas e direitas, insuficiência cardíaca congestiva no final do período neonatal e hipertensão pulmonar precoce. O sinal eletrocardiográfico que orienta o diagnóstico é o BDAS, que está presente em aproximadamente 98% dos casos.

CURSO DE ELETROCARDIOGRAFIA PEDIATRICA – UNIFESP

V CURSO BÁSICO DE ELETROCARDIOGRAFIA PEDIÁTRICA


Coordenação: Profa. Dra. Maria Suely Bezerra Diógenes

    Prof. Dr. João Chaker Saba 

    Prof. Dr. Antonio Carlos Camargo Carvalho

 

Data: 02/05/2012 a 30/05/2012, às 4as-feiras

Local: Anfiteatro do 15º andar do Hospital São Paulo- UNIFESP

Horário: das 18:00h às 21:00h

Inscrição: http://proex.unifesp.br/eventos/eventos12/ecg

 

 

PROGRAMA PRELIMINAR

                                                      02/05/12: 4ª-feira

17:00-17:30h – Entrega do material

17:30-18:00h – Abertura

18:00-19:30h – O ECG Normal no período neonatal, na infância e adolescência

19:30-20:00h – Coffee break

20:00-21:00h – O ECG normal: aula prática

 

                                            09/05/12: 4ª-feira

18:00-18:45h – O ECG patológico: Índices, sinais e causas de sobrecarga de câmaras cardíacas

18:45-19:30 – O ECG patológico: aula prática

19:30-20:00h – Coffee break

20:00-21:00h – Bloqueios de ramo e hemibloqueios. O que significam?

 

                                               16/05/12: 4ª-feira

18:00-19:30h – Miopericardites; isquemia, lesão e necrose; distúrbios eletrolíticos

19:30-20:00h – Coffee break

20:00-21:00h – Aula prática

 

                                                          23/05/12: 4ª-feira

18:00-19:00h – O  ECG nas cardiopatias congênitas: sinais que orientam o diagnóstico

19:00-19:45h – Aula prática

19:45-20:15h – Coffee break

20:15-21:00h – Introdução às arritmias cardíacas

 

                                                     30/05/12: 4ª-feira

18:00-18:45h –  Bradiarritmias

18:45-19:45h – Arritmias supraventriculares – Teoria e Prática

19:45-20:15h – Coffee break

20:15-21:00h – Arritmias ventriculares – Teoria e prática

ECG 12

ECG deste paciente atendido em nosso ambulatório de arritmia cardíacas – UNIFESP

Masculino, 47anos referindo sensação de mal estar precordial de duração de segundos principalmente aos esforços.

Clique no ECG para ampliar a imagem

Descrição do ECG (áudio):  clique no ícone abaixo para ouvir a explicação

Laudo final:

–  Ritmo de fibrilação atrial com alta resposta ventricular e alterações difusas da repolarização ventricular com reversão espontânea para o ritmo sinusal no DII longo.

ECG 10

Este ECG é proveniente de um paciente de 30 anos com história de dor torácica de início há 2 dias. Sem comorbidades prévias. ECG a seguir:

Clique na imagem para ampliar

Laudo final:

Descrição do ECG (áudio):  clique no ícone abaixo para ouvir a explicação

FC=120bpm / Eixo QRS: -10º /QTc normal

Taquicardia sinusal / Supradesnivelamento difuso do segmento ST sugestivo de pericardite aguda (fase I)

O ECG NA PERICARDITE AGUDA

Estágio 1 (fase precoce): elevação difusa do segmento ST (no máximo 5 mm e com concavidade para cima ou normal) com infrades- nivelamento do segmento PR em todas derivações, exceto em aVR (supradesnivelamento do PR).

Estágio 2 (dias): normalização do segmento ST e do PR com achatamento da onda T.
Estágio 3 (dias): inversão gradual da onda T, apresentando-se negativa.

Estágio 4 (dias a semanas): normalização de todo o ECG, ondas T voltando à polaridade positiva.

Atenção: não há formação de ondas Q como ocorre após a fase aguda do infarto agudo do miocárdio (IAM) com supradesnivela- mento do segmento ST (Figura 2).

Na pericardite, não há ondas T hiperagudas como na fase inicial do IAM.

ECG 08

Paciente de 70 anos, assintomático com epidemiologia positiva para doença de Chagas, realizou este ECG na unidade básica de saúde. ECG abaixo

Clique na imagem para ampliar:

ECG comentado (áudio): Clique no link abaixo para ouvir as explicações

Laudo final:

FC = 75bpm  /  eixo cardíaco: 0 graus / QRS= 150ms / intervalo PR: não se aplica

  • Ritmo de Flutter atrial típico com condução AV 4:1 (anti-horário ou istmo cavo tricuspideo dependente) / Bloqueio completo do ramo direito

Figura: Representação esquemática do circuito anatômico do flutter atrial anti-horário dependente do istmo-cavo-tricuspideo.

ECG 05

Paciente, 25 anos realiza ECG admissional na empresa de medicina do trabalho.

Antecedentes Familiares: pai falecido de morte súbita aos 50 anos

exame físico sem anormalidades

ECG a seguir (clique na imagem para ampliar):

Dr. Gabriel P. Targueta

Laudo:

– Ritmo sinusal/ Cabos invertidos (Braço  direito com Braço esquerdo)

Este eletrocardiograma nos chama a atenção por um problema freqüente e nem sempre levado em consideração durante a interpretação dos exames.

Ele foi realizado em paciente previamente hígido, como exame admissional. Observamos frequência cardíaca de aproximadamente 75bpm, com ritmo sinusal, intervalo P-R normal, qRs estreito e repolarização normal. No entanto, na análise do eixo do complexo qRs, notamos um desvio de eixo para a direita, prontamente observado pela inversão da polaridade habitual das derivações DI e aVR.

A principal hipótese nesse caso é a inversão dos eletrodos posicionados em braço direito e esquerdo. Falhas na técnica correta podem levar a padrões eletrocardiográficos aparentemente patológicos em pacientes saudáveis ou mascarar alterações importantes em cardiopatas, como fica bem ilustrado nesse ECG.

O diagnóstico diferencial que não deve ser esquecido é a dextrocardia. Na dextrocardia, entretanto, os complexos QRS nas derivações precordiais possuem polaridade negativa e com amplitude progressivamente menor no sentido V1-V6, sem aparecimento e aumento característico da onda R, refletindo a captura de atividade elétrica a partir do hemitórax direito.

A tabela abaixo traz as conseqüências observadas quando eletrodos do plano frontal são trocados (BD – braço direito / BE – braço esquerdo / PD – perna direita / PE – perna esquerda):

  InversãoBD-BE InversãoBD-PD InversãoBE-PE
DI Invertido DIII invertido DII
DII DIII “Assistolia” DI
DIII DII  Normal Invertido
aVR aVF Igual a aVF Normal
aVL aVR Normal aVF
aVF Normal Igual a aVR aVL

ECG 03

Este ECG é proveniente de um serviço de emergência no interior do Brasil.

Paciente de 47 anos de idade dá entrada no PS com história de mal estar geral, náuseas , vômitos e palpitações.

Refere ser hipertenso em uso irregular da medicação.

clique na imagem para ampliá-la

Dr. Felipe A. O. Souza

Laudo do ECG:

– Ritmo sinusal com Bloqueio átrio-ventricular do segundo grau Mobitz I (Wenckebach) / Área eletricamente inativa com corrente de lesão subepicárdica na parede ínfero-lateral (IAM com supradesnivelamento do segmento ST em evolução).

Comentários e Análise:

O Bloqueio atrio-ventricular de segundo grau Mobitz I ou também chamado de fenômeno de Wenckebach é caracterizado no ECG pelo prolongamento progressivo do intervalo PR a cada batimento até que há uma onda P que não é conduzida aos ventrículos. Na maioria das vezes o bloqueio atrioventricular é suprahissiano (anatomicamente acima do feixe de His), como neste caso onde podemos identificar os complexos QRS ainda estreitos. Além dessas alterações observamos que na parede inferior (DII, DIII e aVF) e existe ondas Q com supradesnivelamento do segmento ST na parede inferior correspondendo a uma síndrome coronariana aguda com supradesnivelamento do segmento  ST. Na fase aguda do IAM inferior geralmente temos a oclusão da irrigação para o nó AV ( na maioria das vezes ramo da artéria coronária direita) e por efeito de vagotonia associada ao quadro de isquemia aguda bloqueios atrio-ventriculares podem ser transitórios, não necessitando na maioria das vezes de marcapasso transvenoso, pois com a resolução da isquemia (angioplastia primária / trombólise ) há a resolução do bloqueio atrio-ventricular em  até 72hs na grande maioria dos casos.

clique na imagem abaixo para ampliá-la

DII longo: Note o intervalo PR2 > que o intervalo PR1 e a terceira onda P deste grupo não apresenta complexo QRS conduzido. O segundo e o último complexo QRS do traçado temos 2 ondas P para 1 complexo QRS  (condução 2:1) enquanto nos outros temos  3 ondas P para 2 complexos QRS  (condução 3:2) do fenômeno de Wenckebach.

Abraço a todos!

Dr. Felipe A. O. Souza